A Polícia Militar está fazendo uma campanha na Grande Goiânia para conscientizar crianças e adolescente a não usar cerol ou linha chilena, substâncias feitas com pó de vidro ou pó de alumínio nas pipas. Dentro desse projeto, o objetivo também é recolher os carretéis que estejam com a mistura. Em Goiás, duas pessoas já morreram após ter o pescoço cortado por linhas com cerol este ano e uma ficou ferida. Em Águas Lindas de Goiás a polícia militar começou a fiscalizar o uso de cerol em linhas de pipa, caso alguma linha esteja com a mistura será recolhida pelos militares.

Durante o trabalho, policiais vão distribuir panfletos e conversar com os pais e também com as crianças e adolescentes que estão soltando pipa para explicar os riscos da mistura cortante. Nos últimos 15 dias, já foram feitas 100 apreensões de linhas e pipas.
“Vale ressaltar que ano passado, em todo Brasil, nós tivemos cerca de 130 mortes por linhas com cerol e cerca de 500 ocorrências de menor potencial”, relatou o tenente-coronel Eder Fernandes.

O policial explicou também que quem estiver usando cerol nas pipas pode responder criminalmente. “O Código Penal prevê prisão de 3 meses a 1 ano para quem expõe a integridade física das pessoas. E soltar pipa com cerol expõe a integridade física. 

Quem estiver soltando pipa com a mistura vai ser conduzido para a delegacia, e os pais também serão responsabilizados”, esclarece.
O cerol é uma mistura feita com cola e vidro moído e consegue cortar blocos de isopor e até mesmo garrafas plásticas.
Já a linha chilena é comprada pronta, tanto em lojas de aviamento quanto em redes sociais. Ela é feita com pó de alumínio e tem o poder de corte quatro vezes maior que o cerol. A multa para que for pego usando ou mesmo vendendo esses produtos pode variar de R$ 200 a R$ 1,5 mil.

A linha representa um risco principalmente para motociclistas. Com a velocidade, o condutor não enxerga o material e tem o pescoço cortado de maneira profunda. Para tentar evitar os acidentes, muitos estão instalando antenas metálicas nos veículos fazer a proteção. O custo aproximado é de R$ 5, cada.

No último dia 2, um motociclista de 60 anos morreu na BR-153, no perímetro urbano de Goiânia após ser atingido por uma dessas linhas. Já em Itumbiara, outro condutor teve o pescoço cortado por cerol no último dia 25.

Vale ressaltar que a probição será apenas para quem estiver usando cerol na linha.

Fonte e foto: G1 / TV Anhanguera

O jovem Audinei Freire Viana de 19 anos, conhecido como Dinei, morreu neste domingo (26/07/2015), ao se envolver em um acidente com um carro, na descida do Ciops (rua 59), no Ana Beatriz II, em Santo Antônio do Descoberto.



Segundo informações, o motociclista seguia na descida do Ciops sentido Parque Santo Antônio – Ana Beatriz II, quando o veículo Santana, de cor branca, que seguia no sentido contrário, deu seta avisando que entraria a esquerda (rua 50). Foi neste momento que o condutor da moto se chocou violentamente na lateral do veículo, tendo morte instantânea.


A batida foi tão forte que a moto quase partiu ao meio.

Ainda de acordo com testemunhas, o motorista do veículo Santana, um senhor de 71 anos que não teve ferimentos, permaneceu no local e ficou aguardando a chegada da perícia no local do acidente.
O SAMU foi acionado, mas nada pode fazer. A Polícia Civil e Militar também estiveram no local e apuraram as causas do acidente.

Fonte: Sad sem Censura

Fotos: WhatsApp da TV CMN



No último sábado (25/07/2015), policiais militares fizeram a prisão de um indivíduo de posse de duas armas de fogo em Padre Bernardo, na hora da prisão o elemento ainda efetuou dois disparos de arma de fogo na direção do sargento Amadeu que por sorte não foi atingido.



Após os disparos a equipe revidou a injusta agressão conseguindo fazer a detenção do autor que foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Águas Lindas de Goiás.

Os militares dessa operação foi o sargento Amadeu, cabo Durães, soldado Vianey e soldado Marques.

Com informações e fotos: Polícia Militar de Padre Bernardo


A Câmara dos Deputados vai analisar proposta do Senado (PL 2289/15) que altera a Lei de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) para prorrogar o prazo para que estados e municípios acabem com os lixões.

De acordo com a legislação em vigor, o prazo para o fim dos lixões terminou em agosto de 2014. Isso significa que, até aquela data, estados, municípios e o Distrito Federal deveriam ter providenciado a gestão e o gerenciamento adequado de resíduos sólidos.
Como a norma não foi cumprida, o projeto do Senado estabelece novos prazos para o fim dos lixões, que vão de julho de 2018 a julho de 2021, conforme o tamanho da população.


Capitais de estados e municípios integrantes de região metropolitana, por exemplo, terão até 31 de julho de 2018; um ano mais tarde, os lixões devem ser extintos nos municípios com população superior a 100 mil habitantes e também naqueles cuja mancha urbana da sede municipal esteja situada a menos de 20 quilômetros da fronteira com outros países.

Capitais de estados e municípios integrantes de região metropolitana, por exemplo, terão até 31 de julho de 2018; um ano mais tarde, os lixões devem ser extintos nos municípios com população superior a 100 mil habitantes e também naqueles cuja mancha urbana da sede municipal esteja situada a menos de 20 quilômetros da fronteira com outros países.
O prazo contará até 31 de julho de 2020 para municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes; e até 31 de julho de 2021 para municípios com população inferior a 50 mil. A proposta também amplia os prazos para elaboração dos planos estaduais de resíduos sólidos.
Cumprimento de metas

O relator do projeto na Comissão de Trabalho, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), diz que os municípios têm dificuldades para cumprir a lei, mas ressalta que é preciso definir metas para o fim dos lixões.

“Metas para a viabilidade da realização, metas de punição, inclusive, para a não realização e também não podemos aceitar que venha, a cada momento, a se votar uma nova lei e, a cada vez, adiar mais esse prazo”, afirma o deputado.

O presidente do Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo, Ariovaldo Caodaglio, destaca que os prazos não foram cumpridos por falta de recursos e capacitação técnica. Ele teme que as questões que impediram o cumprimento da norma possam não estar resolvidas até as novas datas previstas no projeto. Além disso, sugere que a Câmara faça uma discussão mais ampla e não aprove o requerimento de urgência para apreciação da matéria, apresentado por líderes partidários.

“Eu acredito que a Câmara pode sim rever esse projeto, mas não na condição de projeto com urgência de votação. Se a Política Nacional de Resíduos Sólidos demorou tanto tempo para ser discutida e aprovada, por que agora nós temos que, do dia para a noite, resolver um problema que é fatal para a existência dela? Por que não discutir isso um pouco mais?”, questiona.
Ariovaldo Coadaglio lembra ainda que, hoje, 40% dos resíduos produzidos no País, ou seja, cerca de 20 milhões de toneladas de lixo, são colocados todos os dias em contato com o solo, contaminando lençóis freáticos. Ele avalia que a prorrogação de prazos não vai resolver o problema, mas sim fazer com que a própria lei dê as condições para que prefeitos e governadores possam cumprir a regra e acabar de vez com os lixões.

Em Águas Lindas de Goiás a situação é a mesma e também deverá ser adequado com a proposta da Câmara.

Fonte: Câmara dos Deputados

As lojas de materiais de construção têm feito de tudo para atrair clientes em Goiás. Mesmo com as promoções, as vendas reduziram, provocando a demissão de funcionários nas indústrias. “Temos hoje aqui 20, 30 até 50% de desconto para atrair clientes, mas não atrai com a mesma intensidade que uma época boa de vendas”, conta Leonardo Lelis Rocha, gerente de uma loja em Goiânia.

No país, segundo a Associação Brasileira de Materiais de Construção, as vendas caíram 7% no primeiro semestre deste ano. Com medo de não conseguir quitar as contas, a vendedora Valdenice Pereira de Sousa teve que interromper a construção de um sobrado.

“Quando eu fiz o alicerce paguei tudo à vista. Depois, eu pensei se eu continuar vou ter que pagar mão de obra, comprar mais material, então não vai dar. Eu senti que não era a hora certa de continuar, era melhor parar do que fazer dívida”, afirma.

A maioria das pessoas que frequenta as lojas é porque economizou. “Eu já tenho o dinheiro reservado. Assim, você pode conseguir um valor mais em conta [dos produtos]”, conta o estudante universitário Tadeu Emanuel Sirino.

A queda nas vendas interfere diretamente nas indústrias, que reduzem a produção e, por consequência, demitem funcionários. De acordo com a associação, as fábricas de materiais de construção ofereceram 30 mil empregos a menos do que em 2014.
Diretor administrativo de uma das maiores indústrias de tintas do Centro-Oeste do país, Breno Xavier de Brito conta que já demitiu 20 funcionários. “É um efeito em cadeia. Esse colaborador que foi demitido deixa de ter renda, não reforma a casa dele, não consome nossos produtos, igual todos os outros trabalhadores que são demitidos”, conclui.

Fonte e foto: G1 / TV Anhanguera

Vem aí a 9ª edição do Maior São João do Cerrado que acontece em Ceilândia-DF com artistas nacionais e locais com comidas típicas e muita diversão durante todos os dias que acontecem o evento.


Para anunciar o evento Brasília e entorno inteira já sabe, quando a Kombi do Maior São João do Cerrado estaciona no centro da Ceilândia, é porque está chegando a hora de participar de umas das festas mais populares do país. Neste sábado, 25 de julho, das 11h às 12h30, a Kombi será fixada no alto de uma estrutura de alumínio.

Um dos artistas nacionais para a primeira atração que os organizadores confirmaram na Página Oficial na rede social do evento foi o cantor Luan Santana para o dia 28 de Agosto trazendo muita alegria para a festa.


O evento será realizado em Ceilândia-DF nos dias 28, 29 e 30 de Agosto. Vá lá e divirta-se nesse grande evento.

No ano passado, em 2014, a TV CMN participou e conseguiu entrevistar o cantor Michel Teló e pôde conferir de perto como esse evento traz uma cultura nordestina exemplar para a nossa capital.

O Plenário da Câmara dos Deputados deve votar em agosto, em segundo turno, a proposta de emenda à Constituição (PEC 171/93) que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos nos casos de crimes hediondos – como estupro e latrocínio – e também para homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

O texto foi aprovado em primeiro turno no início de julho. Com 323 votos favoráveis e 155 contrários, o Plenário aprovou uma proposta um pouco mais branda do que a que havia sido rejeitada um dia antes, por não ter atingido número suficiente de votos.
A matéria aprovada foi uma emenda apresentada pelos deputados Rogério Rosso (PSD-DF) e Andre Moura (PSC-SE). Esse texto excluiu da proposta inicialmente rejeitada os crimes de tráfico de drogas, tortura, terrorismo, lesão corporal grave e roubo qualificado entre aqueles que justificariam a redução da maioridade.


Pela emenda aprovada, os jovens de 16 e 17 anos deverão cumprir a pena em estabelecimento separado dos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas e dos maiores de 18 anos.

Contrários à proposta
Parlamentares contrários à redução criticaram a decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de votar o novo texto.


O deputado Alessandro Molon (PT-RJ), por exemplo, considerou a decisão inconstitucional e antidemocrática. Segundo ele, o texto votado fere o artigo 60 da Constituição, que diz que matéria constante de proposta de emenda rejeitada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa.
“Toda vez que o resultado desagrada ao presidente, ele encerra a votação na noite, reorganiza sua turma e, no dia seguinte, impõe uma derrota à maioria que se fez na noite anterior. Ou seja, a votação só termina quando o resultado agradar o presidente da Casa”, criticou Molon.

Cento e dois deputados de 14 partidos que discordaram do resultado recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular a votação em primeiro turno, mas a corte negou o pedido.
Defensores
Depois do pleito, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, respondeu que a matéria rejeitada na primeira votação foi o substitutivo da comissão especial, ficando resguardada a proposta original.

Conforme Cunha, o Supremo julgou, em 1996, uma situação semelhante e declarou a medida constitucional. “A proposta que foi votada [na primeira votação do Plenário] não foi a proposta original. A proposta de emenda à Constituição foi à comissão especial, onde sofreu um substitutivo. Quando se traz o substitutivo para votação, se o ele é rejeitado, prevalece a proposta original com as suas emendas e os seus apensados”, disse.
Assim como Eduardo Cunha, outros parlamentares defenderam o rito. Líder do DEM, o deputado Mendonça Filho (PE) concordou com a possibilidade de aglutinar emenda em cima de texto remanescente nos casos em que o substitutivo é rejeitado. “Não é manobra. É um caminho legítimo que permite que a gente possa discutir a matéria com base em partes do texto que não foram deliberadas pela Casa.”

Histórico da proposta
Apesar da tramitação rápida e polêmica dos últimos meses, a proposta de redução da maioridade penal está na Câmara desde 1993. Apresentada pelo ex-deputado Benedito Domingos, a proposta original simplesmente reduzia a idade penal para 16 anos, independentemente do crime praticado. O texto, na visão do então parlamentar, reduziria a violência no País.

Por mais de 20 anos, a PEC e as 36 propostas que tramitam em conjunto ficaram paradas na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), responsável por analisar a constitucionalidade do texto. A matéria passou por diversos relatores, que apresentaram parecer pela admissibilidade ou inadmissibilidade, mas o texto nunca era votado.

A admissibilidade da matéria foi finalmente aprovada em 31 de março deste ano e, já na semana seguinte, Eduardo Cunha constituiu comissão especial para analisar o mérito da proposta.

Em 10 de junho, a reunião para apresentação do parecer do relator na comissão especial, deputado Laerte Bessa (PR-DF), foi marcada por tumulto, com empurrões e agressões verbais envolvendo parlamentares, policiais da Câmara e estudantes contrários à redução da maioridade penal.

Favorável à redução, Bessa precisou negociar seu parecer. Ao final, seu relatório foi um substitutivo que previa a punição aos 16 anos para alguns crimes. O parecer foi aprovado na comissão em 17 de junho, em uma reunião fechada, a fim de evitar novos confrontos com manifestantes.

Os protestos contra a PEC da Maioridade seguiram até o dia da primeira votação da matéria pelo Plenário, em primeiro turno, quando a proposta foi rejeitada, antes de ser aprovada na forma de emenda no dia seguinte.

Na visão de Laerte Bessa, as alterações feitas em Plenário amenizaram a proposta, mas fazem parte do processo político. “Para que se aprove a redução penal aqui na Casa, temos de conciliar todos os partidos e todas as bancadas, a fim de que o povo seja o beneficiário.”

A resistência à matéria, porém, permanece entre alguns parlamentares. Para Arnaldo Jordy (PPS-PA), a redução da maioridade penal vai na contramão das experiências mundiais e não tem estudos a seu favor. “A reincidência entre os que cumprem pena no sistema prisional é de 70%, enquanto entre os que cumprem medida socioeducativa é de 36%”, afirmou.

Se for aprovada em segundo turno pelo Plenário da Câmara, a proposta seguirá para o Senado, onde também terá de ser votada em dois turnos.

Fonte: Câmara dos Deputados


Após denúncias, a Polícia Civil de Santo Antônio do Descoberto cumpriu mandado de prisão preventiva contra o Felipe Venâncio dos Santos de 29 anos por receptação qualificada.

A investigação da polícia começou por meio de uma série de prisões em flagrantes ocorridas no mês de junho pela própria Polícia Civil onde resultou na prisão de 5 elementos sendo recuperado 6 veículos e desde então veio recebendo informações chegando ao Felipe que está sendo acusado de receptar veículos roubados no Distrito Federal e vende-los em Santo Antônio do Descoberto após adulterar.

O delegado da Polícia Civil informa que está buscando outros veículos que Felipe vendeu na cidade e também alerta quem for pego com um veículo furtado/roubado pode ser preso em flagrante e responder pelo crime de receptação.

Caso alguém saiba de mais informações ou tenha sido vítima de Felipe procure a Delegacia de Polícia do Município de Santo Antônio do Descoberto para evitar maiores problemas.
Fonte e foto: Jornal Quatorze de Maio

Um jovem identificado como David Cosme Santos Paiva foi preso em flagrante após ser abordado pela Polícia Militar de Santo Antônio do Descoberto que acabou encontrado uma arma de fogo.

David segundo informações, alguns dias atrás foi vítima de uma tentativa de homicídio e por isso resolveu andar armado para se proteger do perigo. Agora por estar portando uma arma ilegalmente foi levado para a delegacia para os procedimentos necessários e cabíveis.

Com informações e foto: Jornal Quatorze de Maio

Há cerca de dois meses, a dona de casa Elizabeth Teles dos Santos, 60 anos, não recebe nenhuma correspondência. As contas estão atrasadas. A carta que esperava para poder retirar um dinheiro do INSS, também. Ela mora em Girassol, distrito de Cocalzinho (GO), a 50km do centro do município goiano e a 126km do Plano Piloto.

 Até o início de junho, uma agência comunitária dos Correios funcionava a algumas ruas da casa dela, mas precisou ser fechada por falta de verba. A prefeitura recebia R$ 1.420, 29 do órgão federal, insuficientes para cobrir as despesas do posto. Desde então, a população ficou sem o serviço. “A agência mais próxima fica perto da avenida principal de Cocalzinho, e a passagem até lá custa R$ 13, ida e volta. Não tenho dinheiro. Então, dependo da boa vontade de algum vizinho que possa trazer as nossas cartas”, lamenta Elizabeth.

Segundo a prefeitura de Cocalzinho, o posto de Girassol existia desde 1998, quando foi assinado um convênio com os Correios. “Naquela época, o dinheiro repassado pelo órgão bastava, pois a demanda era menor. Mas, atualmente, o distrito tem 12 mil habitantes, e os gastos do estabelecimento ultrapassavam os R$ 7 mil”, explica o prefeito do município, Alair Gonçalves. Outro dos problemas é que, como a agência era comunitária, não havia carteiro. Os moradores precisavam ir até o estabelecimento para buscar a correspondência, o que sobrecarregava o posto. “Recebíamos entre 10 mil e 15 mil cartas e encomendas por mês. Ficou insustentável”, conta o funcionário municipal Clarindo Silva Moreiro, lotado na agência de Girassol.

O convênio entre a prefeitura de Cocalzinho e os Correios venceu em 25 de maio. Antes disso, Gonçalves notificou a instituição e pediu que assumisse as despesas do posto de Girassol. Os Correios, no entanto, justificaram que a unidade de Cocalzinho cobriria as necessidades da população. Assim, o posto comunitário ficou abandonado. Em 28 de maio, o local sofreu uma tentativa de assalto. Na semana seguinte, funcionários dos Correios levaram todos os equipamentos, deixando o prédio vazio. “Para que a agência fosse reaberta, entramos com uma ação contra o órgão no Ministério Público Federal (MPF), e o parecer da Justiça foi favorável a nós. Uma audiência foi marcada para 5 de agosto”, diz o prefeito.

Fonte e foto: Correio Braziliense

Aconteceu novamente! Outra residência foi furtada em plena luz do dia no Distrito de Girassol e nem sinal dos suspeitos. De acordo com o informações dos proprietários, ao chegarem em casa por volta das 19h na última terça (21), encontram o cadeado do portão quebrado e uma das portas aberta, quando perceberam a falta de um televisor, se deram conta de que foram vitimas de um furto. Dois casos semelhantes em menos de uma semana que já deixa a população preocupada e de olhos bem abertos.



Já na outra residência:
Muro alto, cerca elétrica, portões nada disso foi suficiente para evitar mais um furto em residência no Distrito de Girassol. O fato ocorreu nesta tarde de quinta feira (16) no Residencial Itamar I. Ao chegarem em casa os proprietários depararam-se com a porta aberta e portão destravado. Ao entrarem, viram que um televisor (Samsung), notebook (Samsung), uma bicicleta esportiva (Caloi), filmadora, garrafas de licor e um cofre com moedas tinham sido furtados.

Até o momento não se tem pistas dos autores desse delito. Será que Girassol novamente viverá uma onda de furtos, semelhante aquela que ocasionou um manifesto com a interrupção do trânsito da BR 070? Na mesma tarde, registrou-se mais um ato de  violência, desta vez um atentado contra a vida humana, onde um jovem foi baleado.

“A situação do cidadão de bem se torna cada vez mais crítica, ficando preso dentro de sua casa, oprimido pelo comportamento “animal” de certos indivíduos da sociedade, saindo para trabalhar sem saber se volta, e se voltar, sem saber se encontrará seus pertences no mesmo lugar”.

Fonte e fotos: TV GIRASSOL


O acidente de trânsito ocorreu na manhã desta quarta feira (22) por volta das 11:40h próximo a ponte sobre o Rio dos Macacos, Distrito de Girassol. Os militares de plantão (CB. Eudes, CB. Elmo e SD. Michelleto) foram acionados para averiguar a situação no local. De acordo com a equipe da PM, 


o condutor da motocicleta perdeu o controle e veio a cair, tendo que ser socorrido pela equipe do SAMU e encaminhado posteriormente ao Hospital Bom Jesus, felizmente consciente. Acionado pelos PMs, a Polícia Rodoviária Federal chegou em seguida para dar continuidade aos procedimentos cabíveis.

Fonte e fotos: TV GIRASSOL
Ocorreu um erro neste gadget
Image and video hosting by TinyPic

Publicidade

Matérias mais lidas